A instrumentalização financeira do espaço: Fundos de investimento imobiliário como estruturas de capital fixo

Resumen

Na atual conjuntura de dominância financeira sobre os processos produtivos, o crescimento e a consolidação dos Fundos de Investimento Imobiliário (FII) na Região Metropolitana de São Paulo designam-se como um modelo cada vez mais relevante de instrumentalização do espaço urbano e, por conseguinte, de constituição de um regime específico de propriedade do capital cuja centralidade reside no juro e na renda. À vista disso, o presente trabalho demonstra como o desenvolvimento do instrumento repercutiu sobre a região metropolitana de São Paulo a partir da crise financeira mundial de 2008. Ademais, qualificou-se o FII como uma grande estrutura de capital fixo do tipo autônomo que, à luz e determinação das finanças, engendra mecanismos complexos de apropriação e reprodução do capital através do espaço urbano. A metodologia empregada, de natureza qualitativa, demonstra empiricamente o processo de expansão do FII sobre a metrópole, sendo posteriormente articulada ao debate teórico. O trabalho conclui que o entrelaçamento imobiliário-financeiro, viável através de instrumentos sofisticados, contorna as barreiras historicamente presentes no setor imobiliário, tomando-o como um grande vetor de expansão do capital financeiro.

Referencias

Almeida, J. G. d. (2011). Como o Brasil superou a crise. Revista de Economia Política, 31(2), 330–332. https://doi.org/10.1590/s0101-31572011000200009

B3. (2021). Boletim mensal fundos imobiliários. http://www.b3.com.br/pt_br/produtos-e-servicos/negociacao/renda-variavel/fundos-de-investimentos/fii/boletim-mensal/

Botelho, A. (2005). O financiamento e a financeirização do setor imobiliário: Uma análise da produção do espaço e da segregação sócio-espacial através do estudo do mercado da moradia na cidade de São Paulo. (Tese Doutorado em Geografía Humana, Universidade de São Paulo, São Paulo). https://doi.org/10.11606/T.8.2005.tde-06052014-111413

Chesnais, F. (2005). O capital portador de juros: acumulação, internacionalização, efeitos econômicos e políticos. In F. Chesnais (Ed.), A finança mundializada (pp. 35–68). Boitempo.

Dowbor, L. (2017). A era do capital improdutivo. Autonomia Literária.

Fix, M. (2011). Financeirização e transformações recentes no circuito imobiliário no Brasil. (Tese Doutorado em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo). http://www.repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/286383

Folin, M. (1977). La ciudad del capital y otros escritos. G. Gili.

Franco, F. T. S. R. (2019). Tijolos de papel: dimensões territoriais da isenção tributária dos Fundos de Investimento Imobiliário no Brasil. (Dissertação Mestrado em Gestão e Políticas Públicas, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo). https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/27395

Harvey, D. (2005). O novo imperialismo (2nd ed.). Edições Loyola.

______ (2013). Os limites do capital. Boitempo.

Jaramillo, S. (1982). Las formas de producción del espacio construído en Bogotá. In Sobre el problema de la vivienda en Mexico (pp. 149–212). Latina UNAM.

Lefebvre, H. (1991). The production of space. Basil Blackwell.

______ (2002). A revolução urbana. Editora UFGM.

Lencioni, S. (2008). Concentração e centralização das atividades urbanas: Uma perspectiva multiescalar. Reflexões a partir do caso de São Paulo. Revista de Geografia Norte Grande, 20(39), 7–20. https://doi.org/10.4067/s0718-34022008000100002

Martin, I., Santoro, P. F., Mendonça, P., & Rolnik, R. (2018). São Paulo e os territórios do Complexo Imobiliário-Financeiro. In R. Rolnik, P. F. Santoro, D. M. Nascimento, D. M. de Freitas, N. Rena, & L. R. B. Pequeno (Eds.), Cidade estado capital: reestruturação urbana e resistências em Belo Horizonte, Fortaleza e São Paulo (pp. 206–221). FAUUSP.

Marx, K. (2011). Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858. Boitempo.

Miele, S. A. d. F. (2007). O movimento da economia financeira na dinâmica imobiliária de São Paulo. (Tese Doutorado em Geografia Humana, Universidade de São Paulo, São Paulo) http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8136/tde-01122009-145536/en.php

Murphy, A., Haverstock, E., Gara, A., Helman, C.,y Vardi, N. (2021). GLOBAL 2000. How the world's biggest public companies endured the pandemic. https://www.forbes.com/lists/global2000

Rocha, M. A. M. d. (2013). Grupos econômicos e capital financeiro: uma história recente do grande capital brasileiro. (Tese Doutorado em Economia, Universidade Estadual de Campinas, São

Paulo). http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/285912

Rufino, B. (2013). Reestruturação do setor imobiliário e mudanças no padrão espacial de reprodução do capital: a produção imobiliária como elemento central na reconfiguração das cidades brasileiras. Anais XV Enanpur, 15(1), 16.

______ (2017). Financeirização do Imobiliário e transformações na produção do espaço. In A. Ferreira, J. Rua & R. C. de Mattos (Eds.), O espaço e a metropolização: cotidiano e ação (pp. 213–240). Consequência Editora.

Rufino, B., Faustino, R., & Wehba, C. (2021). Infraestrutura em disputa: da construção crítica de um objeto de pesquisa à compreensão das transformações no contexto da financeirização. In Infraestrutura na reestruturação do capital e do espaço: análises em uma perspectiva crítica (pp. 09–34). Letra Capital.

Samor, G. (2020). Exclusivo: XP compra 40% do Faria Lima Plaza por R$ 30mil/metro. Brazil Journal. https://braziljournal.com/exclusivo-xp-compra-40-do-faria-lima-plaza-por-r-30-milmetro

Sanfelici, D. (2017). La industria financiera y los fondos inmobiliarios en Brasil: lógicas de inversión y dinámicas territoriales. Economía Sociedad y Territorio, 17(54), 367–397. https://doi.org/10.22136/est002017685

______ (2018). Investidores financeiros no mercado imobiliário comercial: racionalidades decisórias e repercussões urbanas. In A. Serpa & A. F. A. Carlos (Eds.), Geografia urbana: desafios teóricos contemporâneos. EDUFBA.

Sanfelici, D., & Halbert, L. (2018). Financial market actors as urban policy-makers: the case of real estate investment trusts in Brazil. Urban Geography, 40(1), 83–103. https://doi.org/10.1080/02723638.2018.1500246

Terpins, N. H. M. (2013). A natureza jurídica dos Fundos de Investimento Imobiliário. (Dissertação Mestrado em Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo). https://doi.org.10.11606/D.2.2014.tde-14052015-145102

Volochko, D. (2008). A produção do espaço urbano e as estratégias reprodutivas do capital: Negócios financeiros em São Paulo. FFLCH.
Compartir
Cómo citar
Nakama, V. (2021). A instrumentalização financeira do espaço: Fundos de investimento imobiliário como estruturas de capital fixo. Revista INVI, 36(103), 194-214. Consultado de https://revistainvi.uchile.cl/index.php/INVI/article/view/63808/68675
Publicado
2021-10-27